Grupo Cinex | Blog | Design com X | Design com X é o nome do nosso Blog, pois nós do Grupo Cinex acreditamos que design é o X da questão no mundo atual. Para nós tudo passa pelo design pois ele, por definição, busca o melhor desenho para tudo: móveis, objetos e até relações. Neste espaço buscamos mostrar as notícias e novidades que acontecem no mundo do design. Compartilhamos a pesquisa feita em todas as empresas do Grupo de modo a trazer para você nossa paixão pelo alumínio e pelo vidro, os materiais mais importantes nas nossas indústrias e materiais-chave para o século XXI por sua reciclabilidade e versatilidade. Design e Inovação nos movem. E é sobre isso que iremos falar aqui. Para que cada leitor do nosso blog possa, cada dia mais, criar seus ambientes de sonhos. Onde more a praticidade e a beleza. Onde mais do que estar, se possa bem-estar.

Grupo Cinex | Blog | Design com X - Design com X é o nome do nosso Blog, pois nós do Grupo Cinex acreditamos que design é o X da questão no mundo atual. Para nós tudo passa pelo design pois ele, por definição, busca o melhor desenho para tudo: móveis, objetos e até relações.   Neste espaço buscamos mostrar as notícias e novidades que acontecem no mundo do design. Compartilhamos a pesquisa feita em todas as empresas do Grupo de modo a trazer para você nossa paixão pelo alumínio e pelo vidro, os materiais mais importantes nas nossas indústrias e materiais-chave para o século XXI por sua reciclabilidade e versatilidade.  Design e Inovação nos movem. E é sobre isso que iremos falar aqui. Para que cada leitor do nosso blog possa, cada dia mais, criar seus ambientes de sonhos. Onde more a praticidade e a beleza. Onde mais do que estar, se possa bem-estar.

TAG | transparência

maio/17

16

O projeto arquitetônico de uma residência é complexo, pois não engloba apenas questões técnicas, mas também estéticas e funcionais. E no que se refere a estes quesitos, planos que envolvem segurança, beleza, funcionalidade e desempenho térmico e acústico são primordiais.

Um dos pontos chave – relacionados a estes atributos – são as aberturas e esquadrias que o projeto receberá. Afinal, elas trazem a paisagem e a luz do exterior para o interior, e os isolam de tudo aquilo que não desejamos, criando uma barreira de proteção.

Inicialmente é necessário um estudo minucioso para o seu tamanho e posicionamento, de modo que haja o melhor aproveitamento da luz, circulação do ar e isolamento acústico e térmico da construção. O passo seguinte é a definição do modelo mais apropriado, pois atualmente são muitos os tipos de soluções que o mercado apresenta, e elas variam não somente em relação ao material, mas também nas possibilidades de tonalidades e acessórios. As esquadrias de alumínio, por exemplo, são modelos mais robustos e completos, que atendem aos requisitos mais complexos de uma construção.
Elas se apresentam como as mais eficientes energeticamente, uma vez que possibilitam uma melhor vedação do ambiente externo, além de promoverem mais segurança, menor riscos de infiltrações e isolamento térmico e acústico perfeitos!

Pensando nisso, as esquadrias Cinex Arch reúnem o melhor da arquitetura europeia na fabricação de janelas e aberturas. O objetivo é proporcionar projetos de beleza e modernidade incomparáveis! São esquadria tecnológicas, com a força do alumínio somadas à expertise dos vidros de segurança – esteticamente superleves e ao mesmo tempo robustas em termos de segurança.

As esquadrias Cinex Arch são concebidas seguindo rigorosos padrões europeus e possuem diversos atributos e pré-requisitos que conferem à marca status de referência no segmento. Confira alguns deles:

Câmara: o espaço entre os vidros cria uma sutil e eficiente proteção térmica dentro de casa. O frio e o calor, mesmo tendo um grande impacto fora, passam a não influenciar a temperatura de dentro. Este espaço pode ser preenchido com o gás argônio que traz ainda mais isolamento térmico e acústico para o projeto.

Liga de alumínio 6060: confere mais resistência à estrutura. O alumínio é uma das poucas composições metálicas com 100% de estabilidade ao longo do tempo, o que permite um projeto praticamente eterno.

Sistema de Thermal Break: uma barreira térmica interna nas molduras, composta por uma pequena peça de alta tecnologia que mantém as faces de alumínio do perfil isoladas uma da outra, mantendo uma temperatura estável internamente e evitando que a face de dentro receba o resfriamento ou o aquecimento vindos de fora. Isso evita a condensação do perfil e propicia um equilíbrio térmico interior.

Ferragens exclusivas: travas de abertura e maçanetas especiais são desenhadas para propiciar beleza, resistência e invulnerabilidade, tornando-se, assim, elementos de proteção dos ambientes.

Paleta de cores e acabamentos: as muitas cores e exclusivos padrões amadeirados são aplicados com tintas eletrostáticas (não poluentes) e se fundem ao alumínio através de altas temperaturas nos fornos de fusão. Ou seja, a pintura dos nossos alumínios não se alteram com o tempo.

Testes contínuos: as esquadrias Cinex Arch foram testadas exaustivamente por laboratórios europeus de simulação de eventos extremos. As nossas soluções são certificadas por normas europeias e promovem estanqueidade à água, permeabilidade de ar, resistência à cargas de vento, isolamento acústico e transmissão térmica.

Divelle_0029

Divelle_0056

Divelle_0132

Divelle_0334

, , , , ,

maio/17

2

Uma construção que lembra um barco a vela ou um imenso iceberg? Talvez uma nave espacial?
Bom, o que sabemos é que esta obra surpreende e embeleza ainda mais o Jardim d’Acclimatation de Paris. É Frank Gehry nos presenteando com mais este incrível projeto!
Trata-se de um conjunto de blocos brancos revestidos de painéis de concreto, cercado por doze imensas “velas” de vidro. As velas dão ao projeto a sua transparência e sentido de movimento, permitindo que a construção retrate a água, bosques e jardim.

Logo na entrada o visitante pode assistir a um vídeo que mostra o processo de construção do prédio, que levou 12 anos para ficar pronto. Já ao circular pelos espaços internos é possível apreciar obras de arte garimpadas e que se encaixam perfeitamente ao contexto. Grandíssimas esculturas encaixadas em salas de pé direito altíssimo, enquanto obras de contemplação mais íntima se espalham por salas menores. Em um dos ambientes, 43 colunas distribuídas em forma de prisma fazem infinitas projeções, num jogo divertido de reflexões.

O monograma na porta de entrada é um dos poucos indicativos do que se trata o local: a Fundação Louis Vuitton. Um posicionamento tão luxuoso quanto as peças e produtos da marca, não é verdade?

_mg_2921_am_150203 2._Frank_Gehry_Fondation_Louis_Vuitton_-_©2014_Todd_Eberle

10._Frank_Gehry_Fondation_Louis_Vuitton_-_©2014_Todd_Eberle

lvm_int_125

11._Iwan_Baan_for_Fondation_Louis_Vuitton_©Iwan_Baan_2014

, , , , ,

abr/17

25

Uma região caracterizada pela presença de grandes corporações em Genebra é o cenário de uma obra que impressiona e encanta pela sua estrutura. O projeto busca promover uma conexão agradável entre o ambiente de trabalho e as características naturais do local.

Com fachada em vidro, a construção seguiu a premissa de sustentabilidade, por isso a fachada conta com um sistema de cortina que se adapta às mudanças climáticas externas. Devido a sua concepção, a luz natural nos espaços de trabalho é abundante além de oferecer um vista magnífica do lago da cidade e dos Alpes Suíços. Quem não gostaria de trabalhar em um local assim?

Outro ponto interessante da obra é a sua forma: devido ao terreno ser triangular, tudo foi meticulosamente pensado para aproveitar ao máximo o espaço. Pensando em aumentar a conexão entre o humano e a obra, elevações em alguns pontos da construção esculpem um pátio público que, ao mesmo tempo que inspira, facilita a movimentação dos pedestres ao centro de transporte local.

jti-headquarters-japan-tabacco-international-som-commercial-office-geneva-switzerland-hufton-crow-photography_dezeen_936_7

SOM_JTI_Geneva_-∏Hufton_Crow_006_(retouched)  ef9ed15a83e31e873190a7751e45e965

2016-03-29-som-jti-hufton-crow-hero

, , , , , , ,

abr/17

11

Olha que bacana a ideia dessa família norueguesa! Eles queriam construir uma casa com características ecológicas e, ao mesmo tempo, protege-la contra as rigorosas temperaturas em uma ilha no norte do país. Para poder realizar esse projeto, eles optaram por colocar uma redoma de vidro no entorno da casa.

A cúpula que encobre a construção de 3 andares tem 177 m² e conta com 360 painéis de vidro temperado de 6 mm, em formato triangular. Por causa do tipo de vidro utilizado foi possível manter a temperatura estável durante todo o ano, protegendo a propriedade dos ventos e nevascas do local, além da produção de insumos naturais mesmo durante o inverno. O projeto também previu a instalação de painéis para captação de energia solar e todo o alumínio utilizado nas esquadrias é reciclado. Quer um projeto mais ecofriendly do que esse?

SolarDome-9

SolarDome-1

SolarDome-2

SolarDome-3

SolarDome-8

SolarDome-5

SolarDome-7

, , , , ,

abr/17

4

A empresa israelense Gauzy, reconhecida pela aplicação de tecnologia inovadora, está trabalhando em testes para desenvolver vidros inteligentes que pode mudar de cor com um toque.

Isso mesmo que você leu, um toque!

As chamadas Smart Blinds são feitas com cristal líquido, que é transformado em película e colocados entre duas camadas de vidro. Elas possuem a aparência de uma persiana tradicional, porém podem ter a regulagem de opacidade e áreas que recebem cores com um simples toque. Isso acontece porque ao usar o impulso magnético para trocar a posição das moléculas dos vidros, essa tecnologia é capaz de bloquear a passagem de luz em diferentes níveis. Complexo de entender, mas na prática a ideia é super inovadora!

Inicialmente a tecnologia foi pensada para ser instalada em casas e escritórios comerciais. Mas como as cortinas normais são uma grande fonte de bactérias, as Smart Blinds se apresentam como ótima alternativa para hospitais e centros médicos garantirem a limpeza e assepsia dos espaços.

Tomara que essa tecnologia chegue por aqui em breve 😉

 

[youtube]https://youtu.be/mrQlW1oRUns [/youtube]

 

, , , ,

fev/17

28

Linhas fluídas quebram a rigidez das formas

[fb-like-button]

Baku, capital do Azerbaijão, recebeu uma obra icônica assinada por Zaha Hadid, um dos principais expoentes da arquitetura moderna. O Centro Cultural Heydar Aliyev impressiona por suas formas. E que formas! Ondulações, dobras, inflexões e bifurcações, além de uma superfície de aparência homogênea e contínua, que apresenta diferentes lógicas de construção e sistemas técnicos. Para a composição da obra foram escolhidos o concreto reforçado com fibra de vidro e o poliéster reforçado, também, com fibra de vidro. Este material também foi amplamente utilizado nas paredes, com imensos vãos que permitem uma comunicação ampla e direta do interior com o exterior. O projeto foi desenvolvido após intensa pesquisa da geografia e da cultura local, com o intuito de apresentar um projeto com características de organismo vivo, capaz der atender as necessidades das pessoas, além de enfatizar as transformações contínuas, a forma e o movimento implícito, além da sua geometria fluida. Mais do que falar sobre, vale a pena a contemplação de alguns ângulos dessa imponente construção.

 

arquitetura_heydar_aliyev_center_zaha_hadid_14

arquitetura_heydar_aliyev_center_zaha_hadid_01

arquitetura_heydar_aliyev_center_zaha_hadid_02

arquitetura_heydar_aliyev_center_zaha_hadid_03

arquitetura_heydar_aliyev_center_zaha_hadid_06

arquitetura_heydar_aliyev_center_zaha_hadid_11

, , , , ,

fev/17

21

Localizada em uma ladeira sobre as colinas de Medellín, na Colômbia, a Casa de Ar & Vidro, projetada pelo escritório López Montoya Arquitectos, consiste em dois prismas retangulares precisos, frisados por uma ponte de vidro que os articula em torno de um pátio verde retangular e um sereno espelho d’água. O charme dessa construção, além da inóspita paisagem onde está inserida, é a sua simplicidade de formas e materiais. Apesar de se apresentar como um exemplo singular da arquitetura minimalista e conceitual, a Casa de Ar & Vidro se constitui em concreto branco aparente, madeira e vidro (muito vidro!), que permite uma perfeita integração entre os espaços internos, além da possibilidade de desfrutar da vista que, diga-se de passagem, é deslumbrante em todos os ângulos!

 

CasaZ_M-02_Fot_Sergio_Gómez

CasaZ_M-05_Fot_Sergio_Gómez

CasaZ_M-06_Fot_Sergio_Gómez

CasaZ_M-08_Fot_Sergio_Gómez

_MG_0353

, , , ,

fev/17

14

Design em vidro esculpido pela natureza

[fb-like-button]

O designer Samuel Reis, do estúdio português Vicara teve a ideia de usar troncos de árvores como moldes para soprar o vidro nas garrafas da Coleção Cerne. Sim, isso é possível! Ele utiliza o cerne de plantas, que já estejam degradadas, para dar a forma e os detalhes finais na superfície do vidro de cada modelo de garrafa, assim os exemplares se apresentam conforme o relevo de interno de cada espécie. As peças são produzidas em séries limitadas, até porque conforme o molde vai sendo utilizado o vidro quente vai transformando o interior do tronco. São comercializadas pelo site Crowdyhouse (acesse www.crowdyhouse.com para descobrir mais e se encantar). O charme final das peças é a que as mesmas são sopradas por um artesão vidreiro em Marinha Grande, Portugal.

4

6

6a

8

, , , , ,

jan/17

31

Só poderia ser na China mesmo! Uma ponte de vidro com 430 metros de comprimento, projetada pelo arquiteto Haim Dotan e construída através de um cânion do Parque Nacional Chinês, a Zhangjiajie Grand Canion Glass Bridge possui painéis de vidro que permitem a vista da garganta que fica abaixo. Incrível não é mesmo?

Com a proposta de ser a mais longa e alta ponte de vidro do mundo, ela é composta por cabos de aço que suportam as placas de vidro, suspensos 300 metros acima do solo, que tendem a conferir um aspecto de invisibilidade à ela. Segundo seu criador, a ponte branca foi projetada para desaparecer nas nuvens.
Com certeza uma atração turística tão peculiar quanto o restante da cultura Chinesa.

 

Zhangjiajie4

Zhangjiajie3

Zhangjiajie2

Zhangjiajie1

 

, , , , ,

jan/17

6

Moderna e transparente

[fb-like-button]

O escritório Neumann Mendro Andrulaitis projetou uma casa contemporânea, localizada no topo de uma encosta em Carpinteria, na Califórnia.

O telhado plano e o uso ergométrico do vidro norteiam a pegada modernista deste projeto residencial. A casa foi erguida ao redor de belas árvores com aparência disforme, toda transparente e com detalhes em madeira. O uso extensivo de blocos de arenito auxiliam na harmonização com a transparência da fachada.

modernista2

modernista

modernista3

modernista4

modernista5

, , ,

ago/15

19

A tendência sustentável esta se tornando cada vez mais forte no setor da construção civil. As novas casas, vem com o propósito de gastar menos energia, produzir pouco dióxido de carbono e, de preferência, ser inteiramente reciclável, sem deixar de lado, é claro, a estética e design de qualidade.
O arquiteto e engenheiro alemão Werner Sobek, usou muito bem esse conceito em uma das suas construções, a casa de vidro projetada e construída por ele, é amplamente divulgada ao redor do mundo, pelos amantes da arquitetura. 

Habitada por ele e sua família, tem quatro andares construídos com painéis de vidro triplo de alta qualidade, altamente reflexivo para proteger a privacidade,totalmente reciclável e auto-suficiente em necessidades de energia.
O engenheiro, através de sua obra, conseguiu mostrar o caminho em direção à arquitetura do futuro. 

O pensamento ecológico pode sim casar com a configuração estética. Nessa obra, não há paredes e espaços fechados, com exceção de dois banheiros. Foram usadas dez toneladas de aço para a estrutura de suporte. Um lance de escadas liga os espaços abertos dos quatro andares, uma camada de vidro envolve a construção em forma de cubo, que é coberta com painéis fotovoltaicos.

Para completar, fica em meio à colinas fechadas pela mata, o que o deixa com uma vista deslumbrante!

39603_big

39605_big

39604_big

39607_big

39601_big

, , , ,

set/12

21

Paixão pelo vidro: Jacqueline Terpins

[fb-like-button]

Artista plástica, designer, apaixonada por processos industriais: o que mais seria essa mulher? A resposta é uma só: ela é fogo! Paraibana de origem alemã, Jacqueline graduou-se na Escola de Belas-Artes da UFRJ no início dos anos 70, onde se especializou na arte do cristal. Depois, mudou-se para São Paulo (está na cidade desde 1973) onde ganhou reconhecimento por suas peças criadas a partir da técnica do sopro sobre a massa de vidro incandescente, ou a arte do vidro soprado, típica de Murano e a qual estamos mostrando na nossa Campanha de revistas em 2012.

Criadora de vasos e objetos que ora jogam com a cor, ora com a transparência, as peças de Jacqueline capturam os olhos com suas inesperadas inserções de intensidade e cor que escorrem, perfuram e se amoldam internamente ao cristal transparente. Jacqueline foi atraída pela difícil arte do vidro ainda em 1972 quando realizou um curso com o artista plástico Ivan Serpa no Rio de Janeiro. Em uma das aulas, Ivan mostrou um filme sobre as técnicas do sopro na Europa. Conta a artista que, neste momento de deslumbramento com as imagens que viu, o material entrou na sua vida de maneira imediata e definitiva. Coisa de paixão.

Jacqueline fala lindamente sobre o vidro: “O vidro, por definição, é um líquido congelado, mais viscoso e menos fluido que a água, fundido entre 1400 e 1600ºC, colhido na ponta de uma cana de aço. O material é soprado e manipulado nesta cana em estado de ‘mel’, entre 700 e 1200ºC. Respeito-o, acatando as formas que ele sugere no momento em que está livre pelo calor. Quando manipulo essa matéria incandescente, entro em contato direto com sua natureza e força. Um objeto que tem o movimento e a leveza do líquido, funciona como uma memória da alta temperatura, uma representação do calor”, ela explica. E seus olhos brilham.

A artista e designer é encantada pela ‘vida’ que sente nesta matéria prima que, segundo ela, tem uma dose de vontade própria, um caminho expressivo e particular. “No momento da criação, deixo-o falar, seus próprios movimentos indicam caminhos e permitem o desenvolvimento de novas ideias. Quanto menos o vidro for desviado de sua trajetória natural (fluidez), mais perto o objeto estará da expressão original da matéria.” Esse diálogo que se estabelece, com a artista permitindo a expressão da matéria-prima, ganha contornos especiais na luminosidade do cristal. A intensidade entre a artista e a massa vítrea também está na transparência do cristal. “Esta revela simultaneamente o interior e o exterior do objeto, me instiga e é um dos meus pontos de partida para o trabalho com o cristal.”

Como ela mesma diz, a transparência cria esse jogo de ser e ao mesmo tempo desaparecer. “Acho a transparência uma das qualidades principais do vidro. Veja, por exemplo, quando você cria uma mesa de sala de jantar de 3 m de comprimento, totalmente transparente. Você tem nesse objeto a presença e a ausência ao mesmo tempo. O objeto some. “Ele é e não é”, completa. Para Jacqueline, outra nobreza do vidro, além de sua permanência no tempo, é sua capacidade de refração da luz: “O vidro tem uma beleza extra na relação que estabelece com a luz, recebendo-a e devolvendo-a para o mundo”.

Jacqueline chama a atenção também para os espelhos. “Pense em um objeto inteiro, por exemplo uma mesa espelhada num ambiente. Ao mesmo tempo que ela torna-se ausente, desaparece, ela contém toda a cena ao seu redor, estabelecendo uma brincadeira entre presença e ausência. Sou apaixonada pelo vidro”. Alguma dúvida sobre isso?

Para quem quiser aprender a arte do vidro, Jacqueline avisa que os caminhos são difíceis, não existem escolas no Brasil, somente lá fora. Ela fez alguns cursos na Europa e Estados Unidos, mas conta que foi nas fábricas cristaleiras brasileiras onde mais aprendeu. Olhando e experimentando. Lado a lado com os mestres vidreiros e, acima de tudo, dialogando com o vidro.

Mais informações:
www.terpins.com

Fotografia: Andrés Otero

, , , ,

maio/12

4

A primeira vista, essa é a sensação. Mas quando se olha bem de pertinho, dá para constatar que, na verdade nessa casa tem tudo, só que com muita tecnologia, utilizando o vidro em sua maior capacidade construtiva, emitindo uma singular sensação de liberdade.

Imagine morar em um lugar totalmente feito de vidro. Pois é essa inovação que os conceituados arquitetos italianos Carlo Santambrogio e Ennio Arosio levaram para um projeto inusitado: uma casa transparente.

É uma residência feita de vidro desde a estrutura. Algo que, a princípio, pode soar estranho, mas quando se pensa na possibilidade de estar em um local deserto, onde se pode apreciar a paisagem, contando com entrada de luz direta em todos os ambientes, essa sensação se transforma em um sentimento especial de plenitude.

Ao contrário de algumas propostas semelhantes, no projeto dos arquitetos italianos até mesmo a mobília é feita de vidro. Tudo com técnica baseada na sobreposição de múltiplas camadas. Dessa forma, conseguem garantir alta durabilidade e flexibilidade, propiciando novas ideias para os projetos de arquitetura aproveitando a totalidade da matéria-prima.



, , , , , ,


Fatal error: Call to undefined function wp_pagenavi() in /home/storage/1/ad/cd/cinext1/public_html/blog/wp-content/themes/cinex/wp-loop.php on line 48